TratamentosFisioterapia Respiratória

Síndrome de Ondine

A síndrome de Ondine, também conhecida como síndrome da hipoventilação central congênita, é uma doença genética rara que afeta o sistema respiratório. As pessoas com esta síndrome respiram de forma muito leve, especialmente durante o sono, o que provoca uma diminuição brusca na quantidade de oxigênio e aumento da quantidade de dióxido de carbono no sangue.

Em situações normais, o sistema nervoso central provocaria uma resposta automática no organismo que obrigaria a pessoa a respirar mais fundo ou a acordar, no entanto, quem sofre desta síndrome tem uma alteração no sistema nervoso que impede esta resposta automática. Dessa forma, a falta de oxigênio vai aumentando, colocando em risco a vida.

Tratamento

A base do tratamento de uma pessoa com a síndrome de Ondine é manter uma boa ventilação mecânica, a traqueostomia é uma das opções mais seguras nos cinco primeiros anos de vida, o paciente ainda deve contar com uma equipe multidisciplinar em Home Care.

Como o bebê e a criança com a síndrome têm o desenvolvimento e evolução normal com todos os movimentos preservados é comum nestes pacientes o rompimento interno da cânula de traqueostomia, podendo soltar a cânula internamente na traquéia obstruindo a passagem de ar, por isso deve-se tomar cuidados redobrados e monitoramentos a cada 15 dias na cânula, uma opção é uma cânula inteiramente de silicone (Bivona).

Com a boa evolução do paciente ele pode passar a usar um BiPAP ou CPAP para dormir na adolescência ou quando adulto.

Fisioterapia na síndrome de ondine

O tratamento fisioterapêutico é extremamente importante para os portadores da Síndrome de Ondine. O fisioterapeuta irá atuar evitando e tratando complicações respiratórias e cinesio-funcionais; utilizando o seu conhecimento e técnicas para uma melhora do quadro e qualidade de vida do paciente.

Indicação

  • Crianças;
  • Adultos.